O quase que guardo em ti...










Não deposites esperança no meu corpo, para depois retiras-ma pela alma.
Não o faças, tu sabes que já a perdi quase toda, contigo está guardado o quase que falta ir. Não preciso que sonhemos muito, apenas quero que continuemos a acreditar no sonho, apesar de tudo o negar.
Se dentro de ti, deixaste de acreditar, vai. Não me abras mais os braços, não me estendas mais a mão, deixa-me só, sem fé e sem esperança e sem ti, que eu prometo-te que hei de sobreviver a todos os abismos com que me deixares. 
Não preciso que me peças desculpas pelas lágrimas que já chorei, preciso que me prometas que  vais secar aquelas que possam vir, com o teu amor.
Não sou de ninguém se não de ti, mas quero continuar a acreditar que serei de ti e de mais ninguém...

*** @rt ***


8 comentários:

  1. Isso veio lá das entranhas @rt.
    Algo não vai bem.
    Bonito o que escreveste mas triste.

    beijito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veio de onde tudo começa e tudo termina.

      beijo

      Eliminar
  2. Muito profundo o teu texto, que tenha um desfecho a teu gosto!

    Bjão
    Ricardo Ferreira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Veremos o que a sorte me dita :-)

      beijo amigo

      Eliminar
  3. De onde tudo termina. A esperança é uma assassina.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. David,
      a esperança por vezes não é apenas assassina é assinada.

      Eliminar
  4. São palavras poderosas e profundas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São sobretudo verdadeiras.
      Bem vinda Olivia.

      Eliminar

Partilha-te...