Vazio inexplicável...


Tentou convence-la a ficar,
mas a ela não ficou,
talvez porque a vontade dela em partir,
fosse mais forte do que aquela que ela tinha que ela ficasse...então deixou-a escapar-se pelo meio dos seus dedos, como grãos de areia, que já a nenhuma praia pertencem...
Quando a vida essa está determinada a abandonar-nos, não há mãos que a prendam,  o melhor é deixá-la ir...ficando no seu lugar a esperança, a esperança que um dia ela regresse...que nos encontre novamente e nos volte a encher as mãos por onde um dia nos abandonou...
Na nostalgia da despedida, os olhos desfolham o que foi, mas que nunca mais voltará a ser...fazem-se contas, daquelas que a matemática nunca saberá resolver, porque na tabuada da desilusão são as lágrimas que são multiplicadas pela tristeza e o resultado não pode ser outro se não o vazio...e o vazio é inexplicável...não tem voz, escreve-se apenas na solidão dos dias que correm...



*** Ártemis ***