Praia interdita...


     Tudo nesta vida tem um tempo, um motivo...uma razão...mas quando o tempo deixa de ser o nosso e a razão se perde com ele, fica o vazio... neste momento, eu que fui tão cheia de tanto, dentro de mim o nada balança, porque pouco mais que ele me ocupa...
    Dei-me em letras...recebi-vos em palavras, e foi neste imenso texto escrito a duas mãos que conheci um pouco da alma daqueles, que sempre fizeram o favor de me ler os devaneios...e de me acompanhar nesta maravilhosa aventura que foi por em linhas o que guardo muitas vezes só no peito.
   Sou muito grata por me terem escutado os silêncios da voz, mas acima de tudo, por terem dado ouvidos às falas do meu corpo e sobretudo da minha alma...
   Não procurei por aqui nada...mas encontrei tanto e esse tanto foi vocês que me deram, deram-me a vossa sabedoria, e muitas vezes olhei o mundo sobre o vosso olhar e cada um do seu jeito me acrescentou...
   Hoje abandono a minha praia, este aglomerado de areia trazido pelo vento dos meus cinco sentidos e este mar que sempre a beijou com a tempestade do meu profundo sentir...ainda não fui e já sinto saudades, porque foi aqui que em muitas horas fiz amor, com o melhor de mim...
   Estas últimas letras que vos deixo, talvez mais do que quaisquer outras, saem de mim, rasgando-me por dentro, porque não há tristeza maior neste mundo do que dizer adeus...
   Talvez um dia quem sabe, se o tempo voltar a ser meu, eu regresse ao sitio onde fui feliz e onde em rabiscos de nadas consegui encontrar-me em tudos...
   Desejo a melhor sorte do mundo a todos...que sejam estupidamente felizes...e que continuem estrada fora, deixando o caminho já feito, tatuado, com letras arrancadas da alma, porque só assim faz sentido escrever...
  





Antes de ir e porque as minhas letras tem corpo...o meu,  as minhas palavras têm alma...a minha...
e porque os meus versos têm rosto...deixo o meu...para que todos conheçam na totalidade a mulher, que fez da poesia a cama onde um dia se deitou com o Amor...

ATÉ SEMPRE
(gente boa)

*** Ártemis ***

Sem comentários: