...o desejo tolda-nos os corpos, somos escravos dele...
a tua língua insinua-se na minha boca...sinto o ar faltar-me, mas se assim for estou pronta para morrer nesse instante...as tuas mãos seguem cruéis o caminho que tão bem conhecem em direcção ao meu desatino e ali estou eu mais uma vez pronta, entregue à tua vontade que tão fácilmente se transforma na minha!
     As respirações aceleram...os gemidos apreendem o silêncio...e já pele na pele cresce em nós a raiva de nos enterrarmos um no outro!
    Sinto os teus dedos dentro de mim em busca do meu prazer, a veemência com que os sepultas é tal que quase me magoas, e entre a dor e a vontade que cresce desregrada semeio o meu primeiro orgasmo na tua mão, em mim um lânguido rio escorre, afirmando a loucura que se apoderou do meu corpo.
   Levas os teus dedos à boca, ávido os sugas para te deleitares com o doce mel que lá te depostei...o cheiro intenso da minha tesão divulga-se pelo quarto e atordoa-nos...já nem sabemos quem somos...ali naquele momento somos apenas ira e paixão, numa conjugação perfeita.
  Regressas à minha boca para num dialogo febril desenharmos o que está por vir...sinto a agitação do teu corpo quando colado ao meu...a austeridade do seu movimento diz-me que vamos travar um duelo por entre aqueles lençois já manchados de exuberância.
  Empurro-te...quero-te desafiar, aguçar-te ainda mais essa fúria que carregas contigo por esse querer sem termo.
  Deito-me de costas, quero-te ter desse jeito...e sem demoras te peço que venhas, que me possuas assim...sinto-te aproximar, iniciar o reconhecimento entre a tua saliva e a seiva que continua a acumular-se entre as minhas pernas. Depois de provares da minha fonte, alastraste sobre mim...e finalmente embatemos nesse desejo adiado de sermos um só. Entras e sais de mim em desempenhos ágeis direccionando-nos para o precipício de todas as delicias. Mas antes de juntos cairmos, ainda resta tempo para te dizer que sou tua, perdidamente tua...neste misto mundo que inventámos em que a raiva e o amor são cúmplices eternos...

... by: Ártemis ...

3 comentários:

  1. A raiva pode ser um bom estimulante quando devidamente aplicada...


    Beijo de Deusa

    :-*

    ResponderEliminar
  2. Delicioso de se ler... e fazer claro!
    ;)

    ResponderEliminar

Partilha-te...

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.