Pior...


                      ...pior que o Adeus que nos sai da boca...é aquele que nos sai do corpo...
                                    é  esse que verdadeiramente dita a despedida...

*** @rt ***           

Por descobrir...


Não sei...se ainda te trago no sangue...se te trago na pele...não sei. Mas não me importa, terei até ao fim de todos os tempos para o descobrir...

*** @rt ***

Há no meu corpo...


     Há no meu corpo, um poema...um poema ainda por ler...um poema que deve ser lido com a ponta dos dedos, com a ponta da língua...para ser ler lido em pontas.
Existe um querer, ainda por querer...uma história sem principio nem fim...no meu corpo existe a noite que teima em ser dia...uma madrugada que se esconde num fim de tarde.
Há uma pressa embrulhada em calmaria, porque aprendi que a espera é apenas e só um esquecimento do tempo e ele tem o direito, de se esquecer de vez em quando e que posso sempre lembrá-lo.
    Existe uma voz na minha pele, uma voz gritante que o silêncio engole, para que só quem quero a escute...para quem só eu deseje a oiça...
   No meu corpo que é feito de labirintos, existe atalhos, em forma de palavras, que hoje já ninguém as sabe dizer...daquelas que já caíram em desuso e que estão guardadas como mausoléus no dicionários do ridículo.
   Existe algures entre as minhas células a palavra amor, que se desfragmenta e me contamina o sangue, com sonhos que me fazem ambicionar o que está por vir...o que virá depois...o horizonte...o mais...o tudo que me falta...ou o tudo que já me sobra.

*** @rt ***     

Morrer do tempo...


Se o tempo morre no teu corpo...deixa-me mata-lo contigo, deixa ser eu a assassina de todas as tuas horas, de todos os teus momentos...
Quero estrangular vontades...esfaquear desejos...nesse teu corpo de lua cheia, de sol nascente...de vida e de morte...de tudos e de nadas, mas que dá sentido aos meus sentidos.

*** @rt ***

Um coisa é...


    Uma coisa é desistirem de nós, outra bem diferente é sermos nós a desistirmos dos outros...a primeira talvez custe...mas a segunda por incrível que pareça, sabe a liberdade...e é nesta que repouso todos as minhas lembranças...as boas e as más.
É um limpar de alma...um dizer adeus com ambas as mãos...é deixar o coração finalmente descansar...porque merece, porque foi o último a ficar, mesmo quando tudo o resto já tinha ido à muito.
     Hoje não interessa mais o que foi...interessa a vida que fica e muito mais a que ainda está por vir...é nesta que me deposito, que invisto...porque venha de lá o que vier, é futuro...e o futuro tem de ser recebido sempre de braços abertos.
Temos que aceitar os fins...porque em cada um, existirá sempre um recomeço...e eu estou pronta a recomeçar-me...não porque apenas o deseje, mas sobretudo porque sinto que chegou a hora de o fazer.
É tempo de viver...

*** @rt ***